A PAZ PERFUMADA E ILUMINADA


 28/11/2018 - Decoração e confecção do Andor da Penha

A expressão “romaria” provém de uma alusão à cidade de Roma, Matriz da Igreja Católica Apostólica Romana, e ela se aplica particularmente as viagens católicas aos recantos sagrados. Nessas viagens em busca de Deus, de sua graça e até da gratidão pelos benefícios concedidos, os romeiros sempre estavam junto a um símbolo que representasse essa fé durante todo percurso de suas travessias.

E foi entre mais de seis mil rosas que perfumavam as ruas de João Pessoa na noite do dia 24 de novembro, que Ela, a Senhora da Penha, surgia como símbolo de fé na 255ª Romaria da Penha, indicando que para alcançar a paz é preciso perfumar os dias com amor e coragem de doar-se. O Andor da Penha, que carrega a Virgem da Penha em tamanha graça, é um destaque que não tem como passar despercebido pelos fiéis. É o resultado do trabalho incansável de devotos, que por várias horas se empenham na preparação dos adornos para a Santa.

“Para ser Paz, é preciso ser alegria”

Gargalhadas podiam ser ouvidas na entrada do galpão que recebia a equipe de decoração do andor. Composta por 20 pessoas que todo ano se reúne dois meses antes da Romaria para, de acordo com o tema da festa, decidir como será confeccionada a estrutura, a equipe que prepara a decoração do andor, é um misto de fé e alegria. “Para ser paz, é preciso ser alegria”, disse uma senhora que cortava os talos de uma flor branca, “Então, vamos cantar para Maria”, respondeu a outra. E os cânticos começavam a serem entoados pelo galpão.  

O Pe. Edriano Barbosa é o responsável pela decoração e confecção há 15 anos. Ele conta que a ornamentação é paga pelos devotos que realizam uma campanha meses antes exclusivamente para arrecadar donativos para a compra das rosas. Já a estrutura metálica é confeccionada e doada por uma empresa de ônibus da capital. O padre e sua equipe iniciam os trabalhos às 6h da manhã com uma oração de agradecimento por mais um ano perfumando e iluminando aquela que se apresenta como Mãe da Paz do Mundo. Por volta das 16h o trabalho está sendo finalizado para logo mais às 19h ser encaminhado para a Igreja de Lourdes, no centro da Capital. Para o Padre, cada ano é uma emoção diferente: “a devoção por Maria nos dá força, alegria. Não tem como explicar. É aquela presença de Mãe, é aquele diálogo materno. É seu olhar de bondade voltado para nós e devemos ter consciência que somos os promotores da Paz”, disse ele.

 

Trabalho e amor: a fé de Ducila

Entre canções e gargalhadas encontramos Dona Ducila Vasconcelos, 78 anos, e que há 24 anos adorna a Mãe da Penha. Ducila sorri com o olhar e diz, “Nossa, nós trabalhamos muito para que esse andor fique bonito, muito bonito mesmo, para que quando for a noite, as pessoas sintam alegria, emoção, e sintam essa paz. Eu sou só doação, não é questão de vaidade ornamentar esse andor, é um amor inexplicável, que vem de dentro, é fé”, disse ela sorrindo.

Ducila é uma mistura de alegria e pertença. Sente-se talvez, como uma rosa daquela que está fixada ao andor. Olha com carinho para as companheiras de trabalho, preocupa-se com quem ainda não bebeu água, ou comeu alguma coisa. Como uma mãe, chama os que faltam se alimentar, pois o dia é de longo trabalho e esforço. “Meu filho, você tomou café?”, pergunta já com o copo na mão.

A fé dá continuidade ao trabalho

Na Romaria da vida, tantas vezes nos despedimos dos companheiros de travessias. Ducila interrompe saudosa enquanto olha para o filho Jamilton que dá os últimos retoques na imagem da Penha. “Meu esposo José Galdino a essa hora tava aqui conosco. Ele me dava muito apoio nessa decoração”, disse segurando uma rosinha branca ao peito. José Galdino faleceu há um ano e quatro meses aos 83 anos. Caminhava da Igreja de Lourdes até a Penha agarrado ao andor da Santa, aquele que ele ajudava a decorar e montar. “Eu pensei que não fosse dar continuidade sem ele, mas Deus é bom e a Penha me deu muita força; estou aqui até o dia que Ela quiser;  Meu filho Jamilton sempre nos acompanhou na ornamentação, e hoje ele tá ali, no lugar do pai dele”, apontou para o filho orgulhosa. As companheiras de trabalho sorriam no meio do perfume das rosas, e Dona Ducila finaliza, “Hoje, minha filha, eu só peço a Ela a Paz, e que todos possam viver bem”, disse me abraçando.

A paz, que foi tema da Romaria deste ano de 2018, é um composto de amor, fé e ação. A paz é o compromisso de estar caminhando de consciência tranquila, agindo com amor no caminho do bem. Maria serviu ao Amor, Maria foi guiada pelo Amor, Maria entregou a Paz a cada coração romeiro que naquele dia caminhava. No Andor de Dona Ducila e de suas companheiras de devoção, Nossa Senhora da Penha jorrava luz e bênçãos aos seus filhos, e parecia nos dizer, através do trabalho de amor e dedicação dessa equipe que a coloriu com fé, ‘Meus filhos amados, a paz começa na gente e reflete no próximo’.

Texto: Polyanna Gomes


Assessoria de Imprensa e Comunicação da Arquidiocese da Paraíba

Contatos

  •  Endereço: Palácio do Carmo - Praça Dom Adauto, s/n
    Centro - João Pessoa (PB)
  •  Fone:(83) 3133-1000
  •  E-mail: curia@arquidiocesepb.org.br

Mídias Sociais

Facebook Instagram

© Mitra Arquidiocesana da Paraíba – Todos os direitos reservados