O bom Pastor


 17/04/2016 - Escrito para o Correio da Paraíba

Jesus serve-se de alegorias que revelam a missão que recebeu do Pai. Pastorear significa tomar conta, acompanhar, nutrir, defender dos perigos, curar, liderar, prover, indicar caminhos seguros. O bom pastor doa a sua vida pelos seus. Nunca os abandona à própria sorte. A alegoria utilizada por Jesus reflete a realidade. Suas palavras sinceras e diretas desmascaram os subterfúgios que são próprios dos oportunistas. Há quem se traveste de líder para explorar, extorquir, aproveitar-se dos outros, comercializar a vida. Encontramos mistificadores por todo canto e em várias ocasiões. Porém, o Pai nos envia pessoas de espírito elevado que colaboram com amor generoso na construção de um mundo melhor.

Pelos frutos conhecemos a árvore. Pela conversa bonita, desprovida de obras, os hipócritas e aproveitadores desmoralizam-se. Jesus, franco e objetivo, afirmou que “todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores, mas as ovelhas não os ouviram, nem seguiram. O ladrão vem para roubar, matar, destruir. Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância. Eu sou o bom pastor. Eu dou a minha vida pelas minhas ovelhas. O mercenário não é pastor. As ovelhas não lhes pertencem. Se vê o lobo chegar, foge e abandona as ovelhas. O lobo arrebata-as e dispersa. O mercenário foge, pois não se importa com as ovelhas. Eu sou o bom pastor. Eu conheço as minhas ovelhas e elas me conhecem. Eu dou a minha vida por elas. Por isso o Pai me ama. Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco. Também me convém agregar estas. Elas ouvirão a minha voz e haverá um só rebanho e um só pastor” (cf. Jo 10, 7 ss.).

Jesus é o pastor que liberta as pessoas das manipulações e condicionamentos. O verdadeiro líder possui visão. Assume a sublime missão de habilitar seus liderados. Envolve-os na tarefa de transformar a realidade, cheia de contrastes e desafios. O bom pastor doa-se com coragem e vai ao encontro. O mistificador só sabe aproveitar-se dos outros, disferir culpas, agredir para justificar seus interesses escusos contrariados. Jesus alerta os seus para ouvirem sua voz, não a voz de estranhos. Por vezes, a voz estranha do egoísmo grita dentro de nós e não nos deixa ouvir a voz do Senhor que, entanto, ilumina todo ser humano. Ouvir a voz do bom pastor e segui-lo de perto é um exercício de liberdade e discernimento interior. O pastor está sempre a serviço dos seus. Leva-os ao desenvolvimento pleno. Aqui reside a diferença entre o líder e o aproveitador. Este só defende seus interesses e se serve dos outros, tal como parasita que mata a planta.


Dom Aldo di Cillo Pagotto, sss
Arcebispo Metropolitano da Paraíba

  •  Endereço: Palácio do Carmo - Praça Dom Adauto, s/n
    Centro - João Pessoa (PB)
  •  Fone:(83) 3133-1000
  •  E-mail: curia@arquidiocesepb.org.br
Twitter

© Mitra Arquidiocesana da Paraíba – Todos os direitos reservados