Corrupto leva vida dupla


 30/01/2016 - Escrito para o Jornal da Paraíba

Com a firmeza de pastor vigilante, o Papa Francisco condena a corrupção como um grave pecado contra a lei de Deus e dos homens. Diz o Papa que “o corrupto finge ser cristão, mas não se arrepende. O corrupto lamenta a pouca segurança nas ruas, depois evade impostos enganando o Estado. O corrupto leva vida dupla. Não conhece humildade e não sente a necessidade de ajuda. Corrupção é pecado que se tornou um meio de vida, um sistema. O corrupto esconde aquilo que considera o seu verdadeiro tesouro, aquilo que o torna escravo, mas disfarça o seu vício com a boa educação, arranjando sempre uma forma de salvar as boas aparências”.

A descrição do Papa não poderia ser mais realista. Corrupção torna-se um projeto criminoso para se manter no poder. Se perguntarmos sobre as causas do atraso do País, as respostas apontam para o fato da corrupção. Quem vota enganado, em político corrupto, vota no atraso. Corrupto tem projetos estruturantes. Seu único interesse é se locupletar com o erário. Corrupto não possui outro projeto que o superfaturamento de obras improvisadas e de políticas de compensação. Em vez de garantir os recursos a serem investidos prioritariamente em políticas estruturantes, os corruptos jogam migalhas do que evadem do dinheiro público para programas sociais compensatórios, que não promovem a inclusão social. Apenas contentam um povo apenado, acostumado a depender das suas falácias e aparências.

Corruptos sabem como fazer funcionar esquemas de aparelhamentos, valendo o conhecido jargão: “aos amigos tudo, aos inimigos a lei”. Políticos competentes, honestos, apresentam projetos e planejamentos estratégicos, com base nas principais demandas da população. Corruptos não apresentam nada, além de se manter no cargo, pensando nas próximas eleições. Para além da indignação, o Ministério Público Federal, apoiado pela OAB, entidades da sociedade civil, Igrejas, etc., promove uma coleta de assinaturas propondo um projeto de lei de iniciativa popular, concretizado em “10 medidas contra a corrupção”. Saiba mais em www.10medidas.mpf.mp.br.

Os programas sociais deveriam direcionar-se à inclusão das camadas empobrecidas da população. Somente através da profissionalização os empobrecidos libertar-se-ão do atraso, da dependência e das formas mais humilhantes que os obrigam a viver de favores, enquanto deveriam ter direito pleno à educação e saúde pública, bem como aos direitos fundamentais, embora garantidos na Constituição, mas descumpridos por falta de infraestrutura para vigorar.


Dom Aldo di Cillo Pagotto, sss
Arcebispo Metropolitano da Paraíba




Mais lidos

  •  Endereço: Palácio do Carmo - Praça Dom Adauto, s/n
    Centro - João Pessoa (PB)
  •  Fone:(83) 3133-1000
  •  E-mail: curia@arquidiocesepb.org.br
Twitter

© Mitra Arquidiocesana da Paraíba – Todos os direitos reservados