Padim Ciço


 09/01/2016 - Escrito para o Jornal da Paraíba

Durante toda a sua vida, Padre Cícero Romão Batista atraía milhares de romeiros ao Juazeiro do Ceará, buscando seus conselhos e as bênçãos de Deus, por suas mãos. Padim Ciço conquistou o coração do povo pobre, sem trabalho, apenado com as secas. A figura do santo nordestino permanece no imaginário religioso popular, até hoje. Após a sua morte, em 1934, lá se vão mais de 70 anos de ininterrupta peregrinação de fiéis acorrendo aos lugares onde Padim Ciço viveu.

Além da vitalidade espiritual, Padim Ciço conquistou o desenvolvimento regional do Cariri cearense. Configurado como santo e sábio, ele possuía um forte carisma político, desempenhando funções administrativas voltadas à inclusão socioeconômica da população empobrecida. Milhares de famílias arrancadas da fome e miséria seguiam as suas práticas de convivência com o semiárido nordestino. A prosperidade do povo mexeu na posição dos poderosos, incluindo as esferas da política e da hierarquia da Igreja.

Padim Ciço co-dividia sua santidade com a extraordinária articulação de forças políticas, conquistando a confiança do povo pobre. Homem de visão e prática administrativa, os seus conselhos concretizavam-se. Seus talentos movimentavam as políticas públicas, indispensáveis para a época. Sua fama popular consagrou-o como santo em vida. Exemplo. O Padim “bolou” a indústria caseira de lamparinas, aproveitando latinhas nutridas com óleo de mamona, alumiando a vida de muita gente. Ninguém morria de fome com serviços alternativos ocupando mão-de-obra do povo para escapar da seca, já que dos céus não caía chuva para a plantação.

Recentemente a Santa Sé reconheceu o Padim Ciço “em sua complexa história humana, não privada de fraquezas e de erros. Sem dúvida alguma, ele foi movido por um intenso amor pelos mais pobres e por uma inquebrantável confiança em Deus. Ele teve, porém, que viver em um contexto histórico e social pouco favorável, empregando todas as suas forças e procurando agir segundo os ditames da sua consciência, em momentos e circunstâncias bastante difíceis. Se nem sempre soube encontrar as justas decisões a tomar ou se adequar às diretrizes que lhe foram dirigidas pela legítima autoridade, ele foi movido por um desejo sincero de estender o Reino de Deus” (trecho da Carta do Cardeal Parolin, a pedido do Papa Francisco). Deus escreve certo por linhas certas e se serve de instrumentos imperfeitos para realizar a sua obra. Quem vê linha torta ilude-se.


Dom Aldo di Cillo Pagotto, sss
Arcebispo Metropolitano da Paraíba




Mais lidos

  •  Endereço: Palácio do Carmo - Praça Dom Adauto, s/n
    Centro - João Pessoa (PB)
  •  Fone:(83) 3133-1000
  •  E-mail: curia@arquidiocesepb.org.br
Twitter

© Mitra Arquidiocesana da Paraíba – Todos os direitos reservados